BRASIL

Sem foto no currículo e de burca no trabalho

Currículo com ou sem foto? O título do texto já denuncia o que eu penso sobre isso. Embora seja comum em muitos países, ainda representa uma dúvida recorrente e obviamente pertinente, tanto para os candidatos como para os recrutadores.

Mas antes que a turma que defende passionalmente a blind selection me ataque, devo lembrar, principalmente aos recrutadores, que as experiências e expertises dos candidatos obviamente devem sempre virem antes das aparências.

Logo, a não ser em casos excepcionais, cujos atributos físicos e de aparência sejam os requisitos objetivos de seleção, elas não podem e nem devem ser utilizadas como item de exclusão prévia no processo seletivo.

Para os que precisam elaborar o seu currículo sugiro que antes de tudo leiam com atenção e minúcia todas as informações e requisitos do processo, e assim, sempre que requerido não precisam ter dúvidas de que ele deverá ser inserido do modo como foi solicitado. Se não houver indicação expressa, torna-se opcional.

Tenho observado muitos profissionais reclamando disso. Já tive inclusive candidato se negando a enviar currículo com foto, apesar de ter um bom perfil para a vaga. Assim, algo que poderia inclusive ser irrelevante, se tornou fato especial e negativo no processo do candidato.

Na prática, por razões mais que óbvias, não vejo o menor sentido nessa discussão e tampouco a relutância de candidatos e recrutadores em adotar a foto. Ocorre que se você quer esconder seu rosto ou sua aparência na hora de se candidatar, também seria recomendável vir trabalhar de burca se selecionado (tanto os homens como as mulheres).

A principal razão é que não entendo o que há de sobrenatural em colocar uma foto num currículo se sua vida pessoal será bisbilhotada e virada do avesso nas redes sociais? Lá sim, onde você postou centenas, se não milhares de fotos é que deveria ter o máximo de cuidado naquilo que torna público e o que efetivamente diz pensar sobre os diferentes assuntos do cotidiano e do ambiente corporativo.

Desejando criar uma relação transparente é bem provável que você também tenha colocado no seu currículo o link das suas principais redes, dentre elas o LinkedIn, por exemplo. E nessa rede, por acaso, você não inseriu um avatar com a melhor pose que tenha imaginado, para criar uma boa impressão? Pois ela é sua foto de apresentação, acrescentada de uma biografia.

Por isso, como é bem provável que adicionalmente você ainda minta um pouco no seu currículo (Segundo a DNA Outplacement, 75% dos brasileiros mentem no seu currículo), não possa trabalhar de burca e tenha muitas fotos pessoais nas suas redes sociais capazes de revelar bem mais do que talvez gostaria, pare de mimimi e coloca logo uma foto bem profissional no seu currículo, adequada ao que se pede, e capricha no resto também.

Uma segunda razão para acreditar que essa celeuma toda é uma grande bobagem, preciso lembrar aos incautos que os modelos de currículo têm evoluído muito. Um dos avanços é o vídeo-currículo.

Sim, ao invés de fazer um currículo em forma de texto estruturado, produz-se um vídeo, onde o candidato descreve as suas habilidades e conquistas profissionais, seus objetivos de carreira e suas pretensões para o futuro. Uma forma dinâmica e divertida de mostrar que você está antenado com a atualidade e preparado para o que virá.

Por fim, sei que, baseado nos absurdos que tenho encontrado nos currículos, há outros aspectos bem mais importantes que os candidatos necessitam se preocupar e dar atenção do que uma simples fotozinha.

Por: Eleri Hamer
Fuente: https://www.atribunamt.com.br/2019/08/06/sem-foto-no-curriculo-e-de-burca-no-trabalho/
Foto: https://unsplash.com

Comments

comments

Leave a Reply

Theme by Anders Norén